whatsapp
16 Sep

Putin: "A crise energética começou com a 'agenda verde'"

  1. A atual crise energética começou a partir da 'agenda verde', disse sexta-feira o presidente russo, Vladimir Putin, em entrevista coletiva à margem da cúpula da Organização de Cooperação de Xangai, que ocorre em Samarcanda (Uzbequistão). 

  2. ."Ninguém quer" que a Terra se torne um planeta sem atmosfera, mas " 

  3. devemos agir com cautela , com precaução", disse o presidente.As acusações feitas à Rússia sobre a crise energética da Europa são uma "tentativa de transferir a culpa de uma dor de cabeça para uma saudável", disse Putin. Se os países europeus experimentarem escassez de gás, levante as sanções ao gasoduto Nord Stream 2 , sugeriu ele.

    O presidente russo também lembrou que a Polônia impôs sanções a outro gasoduto, Yamal-Europe, e que agora estão sendo ouvidas reclamações de países europeus de que a Gazprom não está entregando gás a eles. 

  4. "Abra esta rota!" , ele insistiu. 

  5. Ele também rejeitou as críticas pela interrupção do fornecimento através do Nord Stream 1: "

  6. Somos nós que danificamos as turbinas lá?"Putin explicou o que aconteceu com a última turbina desativada, o que levou à suspensão do fornecimento através do Nord Stream 1.

  7.  O dispositivo teve que passar por manutenção regular, eles o abriram na presença de especialistas da empresa Siemens e viram que havia um óleo vazamento, que traz risco de possível explosão , argumentou o presidente. "Eles viram e assinaram o ato de que tinha que ser consertado e não podia ser usado.

  8.  Consertem!", resumiu Putin 

  9. .A essa altura, a turbina havia chegado à Alemanha vinda do Canadá, e Putin recebeu acusações de que o lado russo não a estava recebendo.

  10.  "A Gazprom não traz de volta e com razão não traz", disse o presidente, argumentando que a Gazprom assinou o contrato de manutenção de turbinas com uma subsidiária britânica da Siemens e não com a controladora. 

  11. Esta subsidiária "deve entregar um documento em que tudo esteja escrito": que a turbina não está sujeita a sanções, que a Gazprom é livre para administrá-la e que é fixa. No entanto, disse que a subsidiária britânica não ofereceu nada além de "algumas declarações gerais e palavreado".

  12.  Além disso, o contrato de logística teve que ser alterado, pois a entrega da turbina ocorreria em São Petersburgo e não na Alemanha. "Fomos nós que inventamos esses obstáculos?", perguntou o presidente.

Comments
* The email will not be published on the website.