whatsapp
13 Feb
  1. Ex-congressista diz que administração Biden 'quer que Rússia invada Ucrânia' e explica por quê

  2. Antiga congressista americana Tulsi Gabbard sugere que os EUA e a OTAN querem que Moscou ataque para que eles possam impor sanções "draconianas" e enriquecer a indústria militar.O presidente Joe Biden e seus aliados da OTAN poderiam facilmente prevenir uma guerra na Ucrânia, mas prefeririam ver a Rússia invadir seu aliado para justificar duras sanções contra Moscou e incitar um conflito lucrativo, 

  3. ex-congressista americana Tulsi Gabbard.Gabbard, uma veterana da guerra do Iraque que concorreu sem sucesso à nomeação presidencial democrata em 2020, fez os comentários enquanto a administração Biden e a mídia norte-americana continuam promovendo alegações sobre "invasão" russa na Ucrânia. 

  4. "Isso cimenta esta 'guerra fria' no local", disse em entrevista.Washington e seus aliados poderiam prevenir prometendo que a Ucrânia não poderá aderir à OTAN, pondera Gabbard. É "altamente improvável" que Kiev seja aprovada como membro da Aliança Atlântica, então recusando-se a prometer o que já é uma realidade mostra que os líderes da aliança não querem paz, adicionou a democrata do Havaí."

  5. O complexo militar-industrial é quem se beneficia disso. Eles claramente controlam a administração Biden. Belicistas de ambos os lados de Washington têm provocado essas tensões."Em dezembro passado, a Rússia enviou suas propostas de segurança a Washington, entre elas o bloqueio da Ucrânia da entrada na OTAN, mas o secretário de Estado Antony Blinken disse que a aliança manterá sua política de portas abertas.

  6. "O complexo militar-industrial começa a fazer muito mais dinheiro do que eles têm feito na luta contra a Al-Qaeda ou fazendo armas para a Al-Qaeda", afirmou. "E quem paga o preço? O povo americano paga o preço, o povo ucraniano paga o preço, o povo russo paga o preço. Isso mina nossa própria segurança nacional, mas o complexo militar-industrial que controla tantos dos nossos políticos ganha, e eles correm para o banco."Os EUA negaram armar propositadamente islamistas radicais, mas investigadores relatam casos de sofisticados armamentos americanos que caem nas mãos de combatentes ligados à Al-Qaeda e Daesh (organizações terroristas proibidas na Rússia e em vários outros países).Washington e Bruxelas acusam a Rússia de estar alegadamente planejando "uma invasão na Ucrânia", concentrando suas tropas na fronteira com o país vizinho.

  7.  Assim, emitiu uma matéria onde menciona 15 de fevereiro como uma data possível da "invasão". O Kremlin e a chancelaria russa negaram várias vezes essas alegações, chamand

Comments
* The email will not be published on the website.