whatsapp
15 Mar

Como as sanções contra a Rússia afetarão a economia global?

Economistas alertam para desaceleração do comércio mundial

  1. Enquanto a Rússia está administrando a crise para sustentar sua economia do impacto das sanções ocidentais, países ao redor do mundo estão começando a sentir o efeito dessas sanções em suas próprias economias. Economistas estão levantando preocupações de uma futura recessão global à medida que a turbulência financeira se intensifica.
  2. Impacto das sanções anti-Rússia na economia global
    As sanções impostas pelo Ocidente contra a Rússia terão um impacto maior no produto interno bruto (PIB) global do que o próprio conflito na Ucrânia, disse o Banco Mundial nesta segunda-feira. O Fundo Monetário Internacional (FMI) também alertou para um “severo impacto” na economia global e nos mercados financeiros, dizendo que as sanções anti-Rússia terão consequências significativas para muitos países.
  3. Comércio global em farrapos
    Quase todas as economias já estão vendo uma queda no comércio internacional ligada a interrupções provocadas pelo conflito na Ucrânia e as subsequentes sanções econômicas, segundo dados do instituto alemão Kiel Institute. O comércio internacional começou a se recuperar da queda relacionada à pandemia em 2020, apenas para ser atingido novamente. A rota de carga ferroviária China-Europa que passa pela Rússia estava tendo um boom no ano passado devido ao congestionamento nos principais portos, mas agora está sofrendo cancelamentos crescentes de clientes europeus. As sanções à Rússia estão começando a causar estragos no comércio global, dizem analistas, apontando consequências devastadoras para os importadores internacionais.
  4. Os problemas da cadeia de suprimentos se intensificam
    Centenas de navios-tanque e graneleiros foram desviados dos portos russos e ucranianos no Mar Negro. Encalhados nos portos e no mar, os transportadores não conseguem descarregar suas cargas por causa das sanções. As cadeias de suprimentos globais que estavam funcionando há décadas já foram interrompidas pela pandemia de Covid-19, resultando em escassez massiva, interrupções e inflação de preços. Especialistas dizem que a crise na Ucrânia e as tensões causadas pelas sanções podem ter um efeito “terremoto como nunca visto antes” no movimento global de bens e serviços, que nunca mais será o mesmo.
  5. Escassez crítica de alimentos
    O conflito e as sanções ocidentais podem colocar em risco os meios de subsistência de milhões de pessoas. Os preços dos alimentos, que já estavam em alta desde o segundo semestre de 2020, atingiram um recorde histórico em fevereiro de 2022, devido à alta demanda, custos de insumos e transporte e interrupções nos portos. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação disse na semana passada que a situação atual pode desencadear uma escassez global de alimentos, já que a Rússia e a Ucrânia desempenham um papel substancial na produção e fornecimento de alimentos no mundo.
    Dados da agência da ONU mostram que os preços globais do trigo e da cevada subiram 31% ao longo de 2021. Os preços do óleo de colza e do óleo de girassol subiram mais de 60%. A alta demanda e os preços voláteis do gás natural também aumentaram os custos dos fertilizantes. O presidente russo, Vladimir Putin, alertou que as sanções ocidentais a Moscou podem elevar ainda mais os preços globais dos alimentos, já que a Rússia é um dos principais produtores mundiais de fertilizantes, essenciais para a agricultura global.
  6. Picos de preços motivados por sanções
    À medida que os Estados Unidos e a Europa intensificam as sanções à Rússia, os consumidores ocidentais em breve enfrentarão custos mais altos para produtos de uso diário, dizem analistas. As pressões sobre os preços ocorrem quando a taxa de inflação dos Estados Unidos já está no nível mais alto em quase 40 anos. A Rússia é um dos principais exportadores de commodities, incluindo grãos, petróleo bruto, gás natural, carvão, todos os metais, minerais, terras raras, madeira e plásticos – todos usados em todo o mundo em uma variedade de produtos e por uma infinidade de indústrias, de siderúrgicas a automóveis e eletrônicos. As sanções ocidentais paralisantes já levaram os preços das commodities a atingirem altas históricas. Os crescentes custos de energia têm prejudicado os consumidores e as famílias globais. Analistas alertam que os custos podem subir em breve para níveis inacessíveis, apesar da liberação de reservas estratégicas por vários países.
  7. Retorno de sanções
    O presidente russo, Vladimir Putin, alertou que as sanções impostas contra seu país repercutiriam no Ocidente e em todo o mundo. Isso ocorreria de várias formas, incluindo preços mais altos de alimentos e energia. Enquanto isso, Moscou resolveria seus problemas e emergiria mais forte, disse ele. A Rússia também começou a introduzir contra-sanções contra o Ocidente, pois proibiu as exportações de equipamentos de telecomunicações, médicos, automotivos, agrícolas, elétricos e tecnológicos, entre outros itens, até o final de 2022. No total, mais de 200 itens foram incluídos na lista de suspensão de exportação, que também abrangeu vagões ferroviários, contêineres, turbinas e outros bens. Se a Rússia decidir cortar o fornecimento de petróleo e gás para a Europa, os preços da energia dispararão e a economia da região mergulhará em recessão.
  8. Temores de recessão global
    Uma nova pesquisa do Bank of America (BofA) mostra que investidores nervosos começaram a acumular dinheiro devido a temores de recessão. De acordo com o estrategista-chefe de investimentos do BofA, Michael Hartnett, as expectativas de crescimento global entre os gestores de fundos estão na mínima de 14 anos. A maioria dos entrevistados espera que a inflação seja “permanente”. 
    Quanto aos riscos, a crise Rússia-Ucrânia é vista como o “risco de cauda” número um para os mercados, seguido de perto por uma recessão global. Economistas dizem que as pressões inflacionárias já vinham aumentando antes da crise. O aumento dos preços do petróleo e do gás fez soar os alarmes de recessão em todo o mundo. E agora a economia dos EUA começou a piscar um sinal de alerta de recessão.
    “A batida do tambor da recessão está ganhando volume”,Nancy Tengler, CEO e CIO da Laffer Tengler Investments, em um relatório. Há muitas razões para se preocupar: “Inflação em alta, custos de energia crescentes, uma recessão quase certa na Zona do Euro e uma curva de juros perigosamente '''''''
Comments
* The email will not be published on the website.