whatsapp
12 Dec

Em um momento em que o Brasil consegue atingir números bons da imunização contra o coronavírus, o governo federal lança mão de uma medida controversa que pode prejudicar os avanços alcançados. Essa é a opinião de especialistas que temem acerca da portaria que libera a entrada de estrangeiros no país, mesmo que não apresentem comprovante de imunização contra a Covid-19. Para eles, o ideal seria exigir o esquema vacinal completo e teste negativo para todo mundo que chega de fora.

  1. Essa também era a recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ao governo federal.Além do teste na chegada, terá de fazer uma quarentena de apenas cinco dias e, depois disso, um exame viral. 

    O governo ainda precisa explicar os detalhes de como a portaria será aplicada na prática. Como nenhum estado tem estrutura para abrigar visitantes, esse período será cumprido, por exemplo, na casa de algum parente indicado pelo turista. 

    "Essa quarentena de cinco dias e depois um teste PCR são para burlar o que realmente é necessário, que é o passaporte da vacina. Imagina a pessoa ficar dentro de uma casa, ela pode já estar com o coronavírus, e até transmitir para outras pessoas”, afirmou o médico Julival Ribeiro, da Sociedade Brasileira de Infectologia.

    Agente sanitário fará fiscalização

    O turista que tiver o comprovante de vacinação anticovid e o teste negativo, entra direto no Brasil. Já quem chegar sem comprovante, se enquadra nas novas regas. Caberá ao agente sanitário fazer essa fiscalização, em princípio telefonando ao viajante para ver se ele realmente está no local indicado - tudo isso em uma época em que a maioria não tem mais telefone fixo e só usa celular, que se carrega para todo lugar.

    Em 2019, antes da pandemia, o Nrasil recebem 6.5 milhões de turista   “Isso traz sobrecarga em cima de uma rede de vigilância que já está muito debilitada, que deveria estar focada em rastrear casos e contatos de pessoas com sintomas, e não gastar energia numa medida que estimula pessoas que não receberam a vacina a viajar”, disse o sanitarista Jonas Carvalho, da Universidade de Brasília.

    "Qualquer quarentena para uma pessoa que teve uma possível exposição ao vírus é benéfica porque a gente sabe que a maioria dos casos se desenvolve até o quinto dia, sétimo dia. E mesmo assim o indicado seriam 14 dias. Mas isso ainda não seria suficiente. E aí mandamos para o mundo uma mensagem ambígua. Nós estamos enfrentando uma pandemia. E, ao mesmo tempo, dizendo para o mundo que quem não tomou a vacina pode vir passear no Brasil, que isso não é um problema. Então existe um risco para o país. O ideal seria barrar quem não foi vacinado”, disse Carvalho.

    Estados divergem

    Na guerra eleitoral da pandemia, enquanto o governo de Rondônia publicou lei proibindo a exigência do passaporte da vacina no estado, São Paulo quer que o visitante comprove que foi imunizado. O presidente Jair Bolsonaro elogiou o primeiro e criticou o segundo.

    “Um governador do Sudeste ameaça ‘quem não tomar não entra no meu estado’. Seu estado, o cacete! Não podemos aceitar isso. Devemos protestar”, declarou.

    Os especialistas ouvidos nesta reportagem ressaltam que o Brasil só conseguiu respirar na pandemia porque avançou com a vacinação, provando que esse é o caminho mais seguro na luta contra o vírus. Para eles, não faz sentido que o governo permita o ingresso de não imunizados em um país que já sofreu tanto com a crise sanitária.

    “Graças a uma estrutura eficaz e robusta, o Brasil enfim alcançou um patamar muito bom de vacina, embora tenha começado tarde. Mas estamos falando de um vírus, ainda mais com as variantes delta e ômicron, que tem alta velocidade de transmissão. E a vacina não impede a infecção. Ela é eficaz contra casos graves e mortes, mas não impede a infecção. Então é preciso uma vacinação maciça para conter a doença. E aí qualquer pessoa não vacinada, daqui ou de fora, ajuda a fazer com que o vírus continue circulando”, afirmou o sanitarista Jonas Carvalho.

    Eles também alertam que, diante da probabilidade de surgirem novas variantes até o progresso da imunização em escala global, será preciso uma política sanitária de fronteiras à altura do desafio de barrar um vírus que pôs de joelho todo um planeta.


Comments
* The email will not be published on the website.