whatsapp
04 Apr

Ineficiência do governo deixa Petrobras 'à deriva' em meio à crise da gasolina

Indicados por Bolsonaro para os dois postos mais altos da companhia desistiram dos cargos

  1. O PAIS SEMPRE ESTEVE INGOVERNADO O FRACASSO DA NACAO E O APARATO MONTADO PRA TIRAR DO POVO PARA O SISTEMA FINANCEIRO NAO MORRE  .SENDO  ASSI O GOVERNO BOLSONARO ESCOLHEU UN CIDADAO QUE JA PULOU DO BARCO E havia sido escolhido pelo governo federal para ocupar a presidência da Petrobras no lugar do recém-dispensado general Joaquim Silva e Luna. 

  2. No início da noite desta segunda-feira O CIDADAO  informou que Pires formalizou a desistência ao entregar uma carta ao ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Nos últimos dias cresceram os questionamentos, declarar sua recusa ao cargo de presidente do Conselho de Administração da Petrobras. Landim disse que pretende dedicar seu tempo ao clube.Ele assumiu a presidência do Flamengo em 2019, e foi reeleito no fim de 2021 para mais três anos no cargo. Já tinha compromissos com o clube carioca quando foi escolhido pelo governo para presidir o maior colegiado decisório da Petrobras. O Conselho é responsável por aprovar planos de investimentos ou negócios da estatal.Já Adriano Pires é sócio-fundador e principal porta-voz do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura), que tem como clientes empresas que já chegaram a denunciar a Petrobras ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para que a estatal subisse seus preços. Mesmo assim, foi o escolhido para ser o principal executivo da companhia durante a crise dos aumentos dos combustíveis., as indicações frustradas apontam a ineficiência do governo de Jair Bolsonaro (PL) para lidar com a maior estatal do país. Mesmo com o Governo ciente dos currículos e históricos de Pires e Landim, eles foram indicados para altos cargos da Petrobras. Demissionários antes de assumirem seus cargos, viraram problemas. Bolsonaro tem menos de dez dias para indicar novos nomes. A empresa tem assembleia marcada para o próximo dia 13 para dar posse à nova diretoria – seja lá qual for sua composição.Quem assume?

  3. Segundo o William Nozaki, professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), o governo deve indicar novos nomes nos próximos dias. Em tese, enquanto a assembleia da Petrobras não nomear a nova diretoria, a atual segue no comando.Nozaki lembrou, entretanto, que o general Joaquim Silva e Luna foi demitido por Bolsonaro e reclamou disso à imprensa. A relação entre os dois foi rompida. “Como o desgaste entre Bolsonaro e Silva e Luna foi grande, O Conselho de Administração da Petrobras é presidido pelo almirante Eduardo Leal Ferreira desde 2019. Ferreira manifestou interesse em deixar o cargo. O governo precisa agora indicar um novo substituto ou conviver com um executivo insatisfeito.Para Nozaki, as escolhas dos novos indicados passam pelo chamado Centrão.

  4.  O professor apontou que Bolsonaro demonstrou, com as indicações de Pires e Landim, que pretende entregar a estatal ao bloco político para tentar afastar-se da crise do preço dos combustíveis. Em 2021, a gasolina subiu 46% nos postos do país. Os aumentos mais recentes, em março, foram de quase .

  5. Encontrar pessoas teoricamente gabaritadas para os cargos e, ao mesmo tempo, dispostas a assumir publicamente a responsabilidade pela crise não é tarefa fácil, alerta Nozaki. “Nem Landim e nem Pires aceitaram se expor e se submeter aos mecanismos de governança e integridade da Petrobras”, afirmou.Lógica predatória 

  6. O economista Eric Gil Dantas, do Observatório Social da Petrobras (OSP), disse que o governo seguiu sua “lógica predatória” com as indicações de Landim e Pires. Hoje desgastado, não conseguiu sustentá-las.“Colocar ‘um lobo para tomar conta do galinheiro’ é algo que já aconteceu em vários níveis deste governo, mas agora ele está em uma situação mais delicada, de menor apoio social”, disse Dantas. “Não me parece que o impedimento a alguém como o Adriano Pires ocorreria em outro contexto.

  7. O economista também afirmou que não espera grandes mudanças nos rumos da Petrobras durante este governo, independentemente de quem ocupa a direção da empresa.“Todas as mudanças da Petrobras até aqui não tiveram como objetivo mudar a direção da política de preços e de privatizações. Sempre foram cortinas de fumaça”, afirmou. “

  8. A indicação será, novamente, de alguém que irá lá para defender o PPI [como é conhecida a política de "preços de paridade de importação"] e as privatizações, seja alguém do mercado, seja algum militar.”

Comments
* The email will not be published on the website.