whatsapp
13 Jun

Senado aprova limite do ICMS sobre combustível para tentar baixar preços

Proposta limita alíquota do imposto em 17% e deve reduzir arrecadação de estados


  1. O presidente Bolsonaro já declarou apoio ao projeto. Governadores e prefeitos, entretanto, são contrários à limitação porque ele vai reduzir a arrecadação dos estados e municípios

  2. .O projeto determina que itens de energia, comunicação e transporte coletivo são essenciais. Incluídos nesta lista, o ICMS sobre esses bens e serviços não pode passar de 17%. Antes da aprovação, havia estados que cobravam até 30% sobre gasolina e luz, por exemplo 

  3. .O ICMS é um dos impostos que financia políticas públicas de saúde e educação em estados e municípios.

  4.  O Fórum Nacional de Governadores já estimou perdas de R$ 65 bilhões em arrecadação . 

  5. A Confederação Nacional dos Municípios, por sua vez, estimou que as prefeituras perderão R$ 15 bilhões de sua participação do imposto.O governo federal propõe suspender a cobrança de dívidas de estados para compensar a eventual perda de arrecadação. 

  6. O senador Fernando Bezerra (MDB-PE), relator do projeto, disse que estados e, por consequência, municípios, tiveram aumento de arrecadação nos últimos anos. Por isso, o eventual impacto não seria tão grave.Ele lembrou que a mudança no ICMS reduziria de forma considerável o preço de um botijão de gás, por exemplo. “Haverá uma redução de R$ 25 no preço do botijão de gás, que hoje custa até R$ 150”, afirmou.O senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) afirmou que o Brasil não deveria preocupar-se com a redução da gasolina quando mais de 30 milhões de cidadãos passam fome. “É justo, enquanto uma criança passa fome, subsidiar combustível?”, protestou 

  7. Mais R$ 29 bilhões

  8. Para além da limitação do ICMS, o presidente Bolsonaro defende que a cobrança do imposto seja suspensa até o final do ano exclusivamente sobre combustíveis e gás de 1º de julho a 31 de dezembro – período que coincide com a campanha à reeleição. 

  9. A ideia faz parte de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que também tramita no Senado. Pela proposta, estados não seriam obrigados a zerar o ICMS. Mas, se o fizessem, seriam recompensados por repasses direto do governo federal. Essa compensação, de acordo com contas do governo apresentadas pelo senador Bezerra, custaria até .

  10. Para conseguir fazer esses pagamentos, uma exceção ao Teto de Gastos do Orçamento Federal deverá ser aprovada.

Comments
* The email will not be published on the website.